Tipos de iluminação artificial: como orientar os clientes na escolha?

73 VISUALIZAÇÕES
Decoração e Tendências imagem principal blog

A iluminação é um dos recursos utilizados durante o projeto de arquitetura para valorizar os ambientes. No entanto, nem sempre é assim. A escolha errada da fonte de luz pode destruir visualmente o espaço e atrapalhar a claridade do local. Por se tratar de um assunto extremamente importante para arquitetos e clientes, a Chatuba resolveu fazer este artigo com os melhores tipos de iluminação artificial. Ao final, entenda como orientar os usuários na tomada de decisão do modelo mais adequado. Confira!

3 sistemas de iluminação artificial

1- Iluminação direta

iluminação artificial direta

A iluminação artificial direta é aquela em que o fluxo luminoso incide diretamente sobre algum ponto específico. Esse sistema permite que não haja perdas lumínicas por absorção das paredes ou forros. Além disso, facilita a concentração e o uso do computador, sendo ideal para escritórios, salas de estudo, áreas de trabalho, etc. Bons exemplos desse modelo são spots, luminárias de mesa, abajures de piso e pendentes.

A iluminação direta também pode ser usada para dar destaque a algum objeto. Vale ressaltar que esse sistema deve ser utilizado com cautela, uma vez que seu uso constante pode se tornar visualmente cansativo devido à criação de sombras “duras”. É aconselhável evitar posicioná-lo sobre superfícies que emitem brilho ou reflexo.

2- Iluminação indireta

ambiente com iluminação artificial indireta

A iluminação indireta é caracterizada por ser exatamente o contrário da iluminação direta. Nesse sistema, o fluxo luminoso é direcionado para cima. Logo, parte dele é absorvida, enquanto outra parte é refletida pelo teto na direção contrária e se espalha por todo o ambiente. O resultado é uma luz suave que cria um clima intimista e aconchegante.

Esse sistema de iluminação artificial transmite uma sensação extrema de conforto e bem-estar. Portanto, é muito utilizado em espaços de relaxamento, como spas, hotéis e dormitórios. Além disso, a luz indireta funciona bem quando aplicada em detalhes no chão, no gesso ou no forro.

3- Iluminação Difusa

sala de estar com iluminação artificial difusa

A iluminação artificial difusa distribui uniformemente a luz no ambiente. O fluxo luminoso passa por um elemento difusor, como um vidro leitoso ou chapa de acrílico, e é direcionado para todas as direções. O resultado final é um ambiente iluminado de forma igualada, sem contrastes ou fachos de luz.

Uma das principais características desse sistema é a apresentação de poucas variações de zonas de sombra. Ademais, boa parte da intensidade da luz é refletida pelo teto e pelas paredes, chegando à superfície de modo homogêneo. É o tipo de iluminação utilizada em salas, quartos, banheiros, garagens e outros cômodos.

Como orientar os clientes a fazer a escolha certa?

Todos os arquitetos e decoradores devem fazer um projeto luminotécnico, um estudo da iluminação artificial de acordo com os ambientes. Somente com o conhecimento técnico é possível verificar oportunidades de luminosidade em cada cômodo, assim como a escolha correta das luminárias e quantidade necessária de luz.

Um profissional da área é capaz de identificar quais sistemas devem ser usados e quais devem ser excluídos. Desse modo, é possível otimizar os recursos financeiros dos clientes e evitar o uso exagerado de lâmpadas — o que significa redução na ocorrência de gastos extras e desperdício de energia.

Para indicar os melhores sistemas de luz para os seus clientes, indique a Chatuba Materiais de Construção! Aqui, temos luminárias, pendentes, lâmpadas, refletores de LED e outros equipamentos lumínicos para todas as etapas da obra.

Para saber mais dicas sobre iluminação em geral, leia nosso blog! Veja alguns artigos úteis:

Compartilhe:

VEJA TAMBÉM