Nova lei de sacolas plásticas: benefício ao meio ambiente?

195 VISUALIZAÇÕES
Notícias imagem principal blog

No dia 26 de junho de 2019, a nova lei de sacolas plásticas entrou em vigor no Rio de Janeiro. Ela desencadeou mudanças no que diz respeito ao material utilizado para a composição, preço e resistência. No entanto, muitas dúvidas sobre essa lei de número 8.006 de 2018 circulam nas redes. Foi pensando nisso que a Chatuba Materiais de Construções produziu este artigo! Continue a leitura e conheça as principais modificações.

O que mudou com a nova lei de sacolas plásticas?

Algo importante a citar sobre a nova lei de sacolas plásticas é que os prazos acordados para sua entrada em vigor são diferentes dependendo do tamanho do estabelecimento. Ou seja, para estabelecimentos considerados grandes e médios, a data do dia 26 de junho é a válida. Já para empresas pequenas, o prazo para a mudança de sacolas foi estendido para o dia 26 de dezembro. A seguir, separamos os principais pontos que foram modificados com a entrada da nova lei de sacolas plásticas em vigor.

Material

A produção de sacolas plásticas comuns envolvem recursos naturais não renováveis. Entre eles estão: petróleo, água e energia. Além disso, em seu processo de composição são liberados gases tóxicos que podem proporcionar o aumento do efeito estufa. Com isso, é importante destacar que o consumo excessivo delas pode ser considerado um fator prejudicial para o meio ambiente.

No passo em que a nova lei de sacolas plásticas entrou em vigor, as sacolas provenientes de petróleo foram substituídas por de materiais biodegradáveis. Entre eles, pode ser encontrada, por exemplo, a cana-de-açúcar. Lembramos que a porcentagem utilizada de recursos naturais para a produção das novas sacolas gira em torno de 51%. Desse modo, elas passam a ser consideradas benéficas ao meio ambiente.

Pessoa embala as compras com a nova lei de sacolas plásticas

Imagem/Reprodução: ASSERJ

Decomposição e descarte

Tendo em vista a diferença entre os materiais que servem como base para a produção das sacolas, a decomposição desses na natureza também possui prazos distintos. Em geral, o consumo em excesso de sacolas não biodegradáveis ao longo de muito tempo foi capaz de corroborar para muitos danos.

Entupimento de bueiros e morte de animais são exemplos típicos. Esse fator torna-se comum ao passo que o tempo de decomposição dessas sacolas leva de 100 a 400 anos. Assim, uma sacola que foi utilizada e descartada incorretamente pelo tataravô de uma família é capaz de alcançar o tempo de duas ou três gerações futuras.

No entanto, a nova lei de sacolas plásticas reduz o prazo de decomposição completa das sacolas biodegradáveis para até dois anos. Além disso, as biodegradáveis possuem coloração distinta para separação do lixo. As de cor verde destinam-se ao descarte de resíduos recicláveis. Já as de cor cinza, aos demais rejeitos orgânicos.

Pessoa embala compras em um saco verde que remete à nova lei de sacolas plásticas

Imagem/Reprodução: Pleno News

Preço

O preço é uma das principais mudanças da nova lei de sacolas plásticas. Antes de ser sancionada, não era cobrado nenhum valor para a sacolas. Isso ainda que o processo de composição dessas exigisse tantos recursos do meio ambiente.

Agora, com a nova lei de sacolas plásticas em vigência, o preço pode variar de acordo com o custo de produção. Assim, é possível que os lojistas adaptem-se ao padrão de fornecer duas sacolas sem custo e as demais com valores entre 6 até 10 centavos por sacola. É de suma relevância registrar aqui que o padrão de preço não foi estabelecido entre os comerciantes.

Resistência

Por último, mas não menos importante, tem-se o fator resistência. Uma vez que as sacolas que têm como matéria-prima o petróleo ofereciam pouca resistência, era comum ver as pessoas utilizando duas sacolas. Dessa maneira, era possível reforçar a resistência do material. Por outro lado, uma sacola biodegradável é capaz de comportar de 4 até 7 quilos. Assim, é possível reduzir a demanda de consumo. Logo, a nova lei de sacolas plásticas torna-se uma medida importante tendo em vista que equilibra os fatores consumo e resistência em sua aplicação.

Gostou do nosso artigo sobre a nova lei de sacolas plásticas? A Chatuba Materiais de Construção atua em conformidade com ela. Assim, passamos a distribuir sacolas biodegradáveis a partir da entrada em vigor da lei 8.006/18. Trabalhamos com todos os materiais de construção! Em nosso blog, confira artigos sobre as maneiras eficazes de aplicar sustentabilidade na obra, arquitetura sustentável e ferramentas que não podem faltar. Em nosso site, conheça qual de nossas lojas encontra-se mais perto de você!

 

 

Compartilhe:

VEJA TAMBÉM